Jornal O Diário - Mogi das Cruzes - SP - 5 de maio de 2004

Descoberta emocional do "paraíso"

Sábado último descobri o "paraíso". Não. Na verdade não descobri. O "paraíso" me foi relevado pelo meu amigo Toninho Andere. Foi ele que me levou ao Clube de Campo do Pró Vida. Lá em Sorocaba. Que maravilha! Que grandiosidade! Como poderei descrever o que meus olhos viam? É difícil colocar em palavras um cenário de sonho. E o que eu tinha diante dos meus olhos? Enormes espaços relvados. Edificações magníficas. Tudo planejado e realizado com engenho e arte. Uma extraordinária associação entre o talento do ser humano e a Natureza. Respeitada nos seus direitos.

Mas o que é o Pró Vida? Uma filosofia pragmática. Uma escola que ensina milhares de alunos a fazer "melhor uso da vida". Vida onde haja amor, amizade, altruísmo, generosidade, tolerância. Como acontecia ali no "paraíso" do Pró Vida. Milhares de pessoas circulando pelos belos recantos do clube. Afáveis. Sorridentes. Fui apresentado a várias pessoas. Depois do primeiro aperto ficávamos amigos. Sentia-me feliz em fazer parte daquela multidão de pessoas de todas a idades. Não havia diferença entre visitantes e alunos do Pró Vida. Que belo exemplo de relações humanas.

Paz? O mundo quer paz? Pois o Pró Vida está oferecendo a receita. Está apontando o caminho para a pacificação do mundo. Será um sonho? Sim, um sonho contra o pesadelo da violência que envolve o Planeta. Contra a intolerância. Contra a estupidez das guerras e do terrorismo. E a favor da convivência amiga entre os povos. Utopia? Teoricamente sim. Mas o que testemunhei no "paraíso" do Pró Vida me enche do esperanças. A semente está sendo plantada. O tempo a fará vingar. E o "paraíso" do Pró Vida, que eu vi, se tornará global. O sonho se tornará realidade. Que Deus abençoe o Pró Vida. (Roberto Monteiro)