Website Associazione Nuove Frontiere – 16 de fevereiro de 2015

Este ano nossos garotos encontraram debaixo da Árvore de Natal um presente verdadeiramente especial: um micro-ônibus novinho em folha munido de plataforma de elevação para cadeirantes.

É uma história longa, mas bonita que merece ser contada.

Tem início há cerca de cinco anos, quando um dos orientadores dos garotos em suas atividades, nos informam da possibilidade de dirigirmos à Centrale delle Decime d’Italia (Central do Dízimo da Itália) um pedido de doação de algo que nos possa ser útil.

O tempo passa e já nos havíamos esquecido do nosso pedido (fazemos tantos e muitas vezes sem obtermos resposta) mas, no mês de Outubro de 2013 chegam ao “Parco degli Angeli” (Parque dos Anjos) três pessoas que mais pareciam anjos aos quais só faltavam as asas. Pedem-nos gentilmente se os autorizamos a permanecer um pouco conosco, explicando-nos serem “observadores” da PRÓ-VIDA, a organização à qual a Centrale delle Decime d’Italia pertence

O interesse e a atenção deles sobre quem somos e o que fazemos é enorme: fazem perguntas aos garotos, aos orientadores, a nós pais, participando assim da nossa vida daquele dia.

Posso agora afirmar que, desde então, eles estão presentes em nossa vida com a força que os moveu até nós, sem outro interesse a não ser acionar um dos princípios que deveriam mover o mundo: quem tem, deve dar a quem precisa.

Perguntaram-nos qual era a nossa necessidade para atender os garotos e… um pouco embaraçados pela consistência do pedido, ousamos dizer que uma das nossas prioridades era poder dispor de um micro-ônibus munido de plataforma de elevação, que infelizmente não tínhamos condição de adquirir.

Na despedida abraçamo-nos como se nos conhecêssemos de longa data e com a promessa de nos revermos em breve.

Passam as festas de Natal e uma voz afável ao telefone nos comunica que o nosso pedido tinha chances de ser satisfeito e que o respectivo processo teria de prosseguir com uma análise da contabilidade, juntamente com um “colóquio” (uma entrevista) elucidativo.

Com o coração na garganta e uma série de documentos na mão dirigimo-nos à sede de Latina da Centrale delle Decime d’Italia onde, com a mesma atenção do primeiro encontro, foram examinados os balanços das atividades anuais e os extratos da nossa reduzida conta postal. O colóquio (a entrevista) se concentrou basicamente nas razões de sermos unidos e solidários e ainda nas perspectivas de desenvolvimento da nossa associação.

Mais uma vez nos despedimos com grandes manifestações de afeto, e nós ficamos no aguardo de notícias sobre os resultados de todo o processo.

Quando ao telefone uma voz entusiasta por ser portadora de uma boa notícia, nos comunica que o nosso pedido tinha sido acolhido, mal conseguímos acreditar no que estávamos ouvindo. Dizem-nos então ser necessário que o representante legal da nossa associação se apresente no mês de Maio em Portugal e, sem hesitar, nós respondemos que até o Polo Norte nos teria parecido próximo.

Éramos muitos em Torres Vedras e provenientes dos quatro cantos do mundo: do Nepal, do Brasil, da Espanha… todos acomunados pela sorte de termos sido objeto da atenção de uma Organização que nunca nos pediu nada em troca pela ajuda que nos oferecia. Todos nos sentíamos como que vencedores de uma loteria. Todos assistidos (cuidados) e acarinhados por pessoas que tinham a única intenção de nos deixar à vontade.

Certas emoções, certos sentimentos não podem ser explicados, é preciso estar presente e nós lá estávamos para receber o ato de doação daquilo que representava um sonho.

Dos sonhos acordamos por vezes aliviados, outras vezes com o amargor de ter visto e tocado aquilo que na realidade não existia e que permanece uma miragem.

Em vez disso nós continuámos a viver o nosso sonho. Quando voltamos à Itália, nossos Anjos nos informaram que logo iríamos poder ver o nosso micro-ônibus (quase não conseguíamos pronunciar a palavra “nosso”) em sua fase de acabamento. No final de Novembro fomos até Pistoia onde o vimos finalmente: grande, bonito, novo… nosso.

Ainda incrédulos, no regresso a Cerveteri não sabíamos que iríamos ter que contar outra novidade aos outros pais: por um telefonema nos é anunciado outro presente (outra doação). Sim, nossos Anjos acharam que um magnífico micro-ônibus não pode pernoitar ao ar livre e assim decidiram nos doar também uma (estrutura de) cobertura.

No dia 14 de Dezembro de 2014 fomos recebidos na sede de Milão da PRÓ-VIDA por amigos em festa que se regozijavam pela nossa alegria. Nosso sonho tornara-se uma realidade. Debaixo da nossa Árvore de Natal o presente mais bonito: a solidariedade de quem sabe pôr em prática antigos ensinamentos. A sólida realidade que se contrapõe às promessas dos charlatães (vigaristas).

Nós podemos testemunhar que a PRÓ-VIDA e a Centrale delle Decime D’Italia representam com simplicidade uma realidade que cutuca (chacoalha, sacode) as consciências. Uma realidade perante a qual nos confrontamos, como frente a um espelho, para nos perguntarmos se somos também nós capazes de fazer algo de bom para os outros.

Eles não pedem nada, eles dão somente com a alegria de poder dar sentindo-se privilegiados em fazer isso.

Filippo Bellantone / Presidente da Associazione Nuove Frontiere Onlus – Il Parco degli Angeli

O Nosso Micro-Ônibus – PRÓ-VIDA – Central do Dízimo da Itália – 16 de fevereiro de 2015